Quais serão os ambientes do futuro?

By 18 de abril de 2017Reformar
Apartamento pequeno

Você já pensou como será a casa e seus ambientes no futuro?

O tempo passa e, cada vez mais, tem-se a impressão de que o mundo se transforma numa síntese de si mesmo. Velocidade, agilidade, comodidade, acesso, mobilidade, limpeza, modulação, economia. Estas são palavras que pronunciamos como parte de um vocabulário tão comum quanto ar, água, comida. Cresce a conscientização sobre os problemas gerados em escala planetária. O consumo excessivo, processos produtivos poucos inteligentes – muitas vezes, desumanos -, desperdício de recursos de toda ordem e o descompromisso com a manutenção da vida em sentido amplo. Tudo isso, somado ao desenvolvimento tecnológico, tem provocado mudanças nos padrões de comportamento. E mudanças cada vez mais rápidas.

Uma das características mais marcantes do século XX foi a concentração das populações nos centros urbanos, gerando grandes cidades e problemas provocados pelos movimentos de migração. Famílias inteiras se deslocaram e se estabeleceram nestas cidades, transferindo seu modo de vida com muita dificuldade e, adaptando-se às novas condições de espaço e cultura. As casas, mesmo as ditas populares, na época, tinham ambientes com espaços generosos para abrigar estas famílias. A maioria, porém, tinha que acomodar mais de uma pessoa por dormitório. O compartilhamento do espaço era uma característica comum nos imóveis residenciais.

Mudança

Mas a vida cotidiana numa residência mudou nos últimos 50 anos. Se você não quiser pesquisar muito, analise a oferta de produtos no mercado imobiliário nas grandes cidades para ter uma ideia. O perfil das famílias é hoje bem mais variado, e a quantidade de filhos menor. Há muito mais gente vivendo sozinha. E o espaço ofertado para essas pessoas, via de regra, ainda é maior do que o necessário.

O mercado imobiliário identificou essa tendência e passou a produzir unidades habitacionais muito menores – de 28 a 40m2. Neste espaço, o único ambiente isolado é o banheiro. A sala assume também as funções de dormitório e cozinha através do mobiliário instalado. Assim, o espaço reduzido, único e multi-funcional é uma tendência. O uso do espaço público, ou semi-privado (por exemplo, como o shopping ou um bar), como complemento da área social da casa, se intensifica. A casa passa a ser, cada vez mais, uma célula mínima de sobrevivência. Neste sentido, ganha importância o design de interiores.

Um pouco deste conceito pode ser visto no vídeo a seguir (em inglês):

Arquiteto e empreendedor, apaixonado por gente, tecnologia e soluções inovadoras.